Blog

Expo Magalu 2021: melhores momentos

por:

Nairah Matsuoka

Nairah Matsuoka

Realizado com a curadoria de conteúdo da HSM, o Expo Magalu reuniu mais de 15 mil empreendedores. O evento foi aberto por Fred Trajano, que adiantou os próximos passos de uma das mais arrojadas estratégias de crescimento do varejo digital do país.

“No varejo de bens de consumo (avaliado em R$535 bi), há bastante trabalho a ser feito por nós na digitalização dessas empresas que hoje possui só 1% de penetração no online. No varejo de lifestyle (avaliado em R$223 bi) são 10% – muito abaixo dos países desenvolvidos, que ficam em torno dos 40%. No food service, mesmo com tantas opções de delivery ao longo da pandemia, a penetração online também está muito abaixo do valor estimado do setor, que é de R$196 bilhões. E as vinte empresas adquiridas que integram nosso ecossistema fazem parte do nosso compromisso com a digitalização desses negócios no país”, afirma.

Luiza Helena Trajano entrou no palco após a apresentação de seu filho e presidente da MagaLu, Fred Trajano, discorrendo sobre sua visão de negócios ao público do evento e dando um panorama do que deve ser preservado e praticado no setor varejista.

Três pontos foram destacados por Luiza para que os empreendedores alcancem excelência no atendimento aos clientes:
1- Surpreenda (e essa ação pode vir de coisas simples, como uma entrega antecipada)
2- Dê mais atenção à reclamação do que à própria venda
3- Resolva os problemas

Empreendedorismo e vendas: um novo cenário para o e-commerce brasileiro

O economista Ricardo Amorim participou em tom bastante otimista. De acordo com ele, os países que passaram pelo processo de lockdown e distanciamento social de maneira mais forte, se depararam com algo que Amorim chama de “efeito eu mereço”. Que é a consequência da reclusão por meses se tornar um anseio de consumo latente.

Se comparado ao volume de serviços e produção industrial, o comércio varejista não sofreu tanto devido ao preparo fornecido pelo e-commerce para que as vendas seguissem sendo realizadas. “O que aconteceu é que a gente já tinha o e-commerce crescendo na participação das vendas totais há um bom tempo. Mas, com a pandemia, houve uma aceleração expressiva. O crescimento da participação do e-commerce no total das vendas do varejo, em seis meses, foi equivalente ao crescimento da última década inteira“, explica.

Outro ponto de atenção levantado por Amorim é que um dos setores que não sentiu a pandemia foi o agronegócio. Há vinte anos, desde 2001, quando a China entrou na Organização Mundial do Comércio, o superávit do agronegócio brasileiro não para de crescer. Isso se deve ao fato da busca por alimento ter aumentado e o Brasil ter características bastante favoráveis à produção como: muito espaço para plantar, clima melhor que os países que competem conosco, disponibilidade de água doce e grandes ganhos na produtividade.

“Cada vez mais o Brasil representa uma parte importante das exportações do agronegócio no mundo. Por que isso é valioso aos varejistas? Porque isso muda onde acontece o crescimento no Brasil. Faz vinte anos que as cidades no interior dos estados crescem mais que as capitais dos estados. Então aí está uma tremenda oportunidade para o e-commerce”, afirma.

Segundo o economista, quando as pessoas estão apinhadas nas grandes cidades é muito mais fácil acessar o comércio dos mais diferentes produtos e serviços. Quando mais espalhadas pelo país, esse acesso se torna mais difícil. “Isso faz com que esse público tenha mais aderência ao e-commerce do que aqueles que vivem nos grandes centros“, pontua.

No que toca à transformação digital, Amorim reforça que o ambiente on-line gera cada vez mais dados capazes de gerar inteligência de negócio e insights. “As pessoas esperam um novo normal, e isso não virá. O que podemos esperar é o que chamo de grande aceleração, as mudanças serão cada vez mais rápidas. Se você acha que as coisas mudaram muito nos últimos dois anos, espere para ver como serão os próximos dois anos. E para que você esteja pronto pra isso, é necessário que tenha capacidade de resposta rápida – entendendo seu cliente, identificar tendências, hábitos, mudanças de comportamento“, recomenda.

“Em quinze anos, a renda no mundo cresceu mais do que nos dois mil anos anteriores. Para quem é capaz de inovar, empreender, entender as mudanças, reagir rápido e tem cultura de inovação, nunca na história do planeta as oportunidades foram nem de perto tão grandes”

– Ricardo Amorim

Educação Financeira: equilibrando as contas de negócios digitais

A jornalista especialista em finanças, Nathalia Arcuri, traz sua visão para as práticas financeiras dos empreendedores, lembrando que não existe uma carreira empreendedora sem aprendizado contínuo. “Quanto mais você cresce, mais você precisa aprender. A capacidade de um empreendedor aprender coisas novas, ter mais repertório, é diretamente proporcional à capacidade de crescer“, afirma.

De acordo com Arcuri, os empreendedores digitais já estão à frente daqueles que não estão digitalizados, tendo acesso a milhares de pessoas sem precisar de um ponto físico. “Você não precisa ser 100% melhor que o seu concorrente, se você for 1% melhor que o seu concorrente, muito provavelmente já vai pegar 100% dos clientes dele. Essa é a realidade da concorrência. E se você não está pensando em ser melhor que o seu concorrente, pode ter certeza que ele está pensando isso a seu respeito. E, quando você menos esperar, ele vai passar na sua frente e pegar todos os seus clientes“, ressalta.

A economista elencou os cinco principais erros dos empreendedores:

1- Não ter metas (sem metas, é impossível traçar um plano financeiro)
2- Não separar Pessoa Física de Pessoa Jurídica (separe seu pró labore)
3- Focar mais no ganho de curto prazo, do que no ganho de longo prazo
4- Não pensar na experiência do cliente
5- Não se responsabilizar pelos resultados

A responsável pelo canal de educação financeira “Me poupe” alerta também para a importância da análise comparativa, pois se o empreendedor tiver um único item todas suas decisões serão unilaterais. “Nem mesmo na nossa própria vida amorosa deixamos de comparar possibilidades, por que então eu não compararia os investimentos na minha empresa?”, brinca.

Sobre inspiração e Resultados Extraordinários

No encerramento do evento, Magic Johnson, lenda da NBA subiu ao palco para participar de um talk show com Fred Trajano e Aron Wierson, assessor de imprensa internacional do Magalu. Considerado um dos principais jogadores da história do basquete, Johnson compartilhou aprendizados inspiradores sobre superação, resiliência, inclusão e diversidade.

“Venho falando da importância da diversidade há mais de 30 anos. Fico muito feliz que esse assunto finalmente tenha entrado na pauta das grandes organizações. Fico muito feliz quando vejo empresas como o Magalu e suas lideranças realizando ações que reforçam a importância dessa agenda”

Receba mais conteúdo sobre o assunto do artigo!

Compartilhe

Mais Postagens